Parte essencial deste pobre mundo

Na turbulenta Europa dos anos 40, o escritor Italo Calvino (1923-1985) achava que a realidade era um enredo mal escrito que precisava ser urgentemente mudado – e que a literatura era um instrumento para isso.

Na dúvida entre arte e política, Calvino optou pelas duas, passando a militar tanto nos quadros do Partido Comunista italiano quanto através de livros ëngajados”como Il sentiero dei nidi di ragno (O atalho dos ninhos de aranha, 1947) e Ultimo viene il corvo (Por último vem o corvo, 1949), sua estréia na ficção.

Mas Calvino não demorou muito a descobrir que o mundo não era aquela equação exata que alguns filósofos teimavam em transformar, mais do que em entender.

Para o homem e para o artista, isso representou um ritual da “perda da inocência”: o militante que queria mudar o mundo acabou mudado. Calvino trocou a ingenuidade da política pelas sutilezas do verbo, e seu realismo à italiana pela literatura universal.

Deixou de lado a arrogância de pretender forjar um mundo perfeito, e acabou preferindo a sabedoria de tentar aperfeiçoar a literatura – que é, no fim das contas, parte tão essencial deste pobre mundo.

Do blog de Antônio Fernando Borges.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: