Grandeza e banalidade

Nota: Escrevi este post meses atrás, logo após a vitória de Obama nos EUA. Fala de um livro desconhecido e cita quase um artigo inteiro a respeito, escrito pelo jornalista João Pereira Coutinho. Publico-o como estava, sem revisões nem links.

Pensei seriamente em escrever sobre o Obama; não, na verdade, eu pensava em falar da euforia que pessoas de lugares tão distintos experimentaram com a eleição norte-americana. Queria dizer que esta felicidade tola e exagerada em relação a um político nada mais é do que sintoma de imaturidade. Mas desisti e confesso ter pouco paciência para tratar deste assunto agora. Vou ao outro lado.

Falo da necessidade de, por vezes, escolher estar alheio ao ruído do mundo. Foi disso que o colunista João Pereira Coutinho tratou na Folha de São Paulo, ao comentar o novo livro de Reinaldo Azevedo. Como o blog do jornalista estava com problemas (nada de links), resolvi extrair o artigo de lá quase totalmente[na verdade, procurarei o link assim que voltar do Natal]:

[…] existe uma passagem do livro que não é para rir. É para ler, meditar, talvez chorar. Acontece a propósito de nada: Reinaldo Azevedo prepara-se para sair de férias e, em momento de trégua, partilha com os leitores do blog a memória feliz de um livro aparentemente menor, “A Morte de um Apicultor”, do sueco Lars Gustafsson.

Quem leu Gustafsson? Curiosamente, eu li. E perguntei-me, durante anos, se seria a única criatura do mundo a lembrar com ternura desse livro imensamente melancólico e belo. É a história de um velho, condenado por doença mortal, que vai anotando, em vários cadernos, os pensamentos, as rotinas e até as dores físicas de uma vida a caminho do fim. “Recomeçamos. Não nos rendemos”, escreve o velho, vezes sem conta. E, com essa frase, termina a sua odisséia, momentos antes de a ambulância vir buscá-lo.

Reinaldo Azevedo evoca “A Morte de um Apicultor” para dizer o que de mais profundo alguém pode dizer sobre a função de uma democracia civilizada: ela existe, precisamente, para que possamos tratar das nossas vidas banais. Para que possamos ser como o velho apicultor do livro: simplesmente interessados nas nossas rotinas, nas nossas famílias, nas nossas memórias privadas. E conclui o colunista: o que é imperdoável na política brasileira não é apenas a corrupção, a boçalidade e a ignorância dos próceres. O que é imperdoável é a existência de uma elite política moralmente miserável que impede esse espaço pessoal e intransmissível onde podemos ser “senhores das nossas lendas” e alheios ao ruído do mundo. No Brasil, tudo é ruído. E no resto do mundo?

No resto do mundo, talvez não. A tese pertence a Luc Ferry e ninguém diria que Luc Ferry e Reinaldo Azevedo dariam um bom par. Mas as aparências enganam. Em “Famílias, Amo Vocês”, um breve ensaio publicado no Brasil pela Objetiva, Luc Ferry retoma a observação pessoal de Reinaldo e elabora uma questão filosófica fundamental: nos tempos que passam, seremos capazes de nos sacrificar por algo ou por alguém? Ao olharmos para o brilhante século 20 e para o longo cortejo de matanças em que a centúria foi pródiga, encontramos milhões de seres humanos que marcharam e mataram em nome de puras abstrações. A Nação. O Partido. O Progresso. A Raça. O Império. O baile terminou em chamas e, hoje, no meio das cinzas, alguns zelotes ideologicamente nostálgicos lamentam o “recolhimento individualista” das nossas sociedades “burguesas” e clamam pelo inevitável, e tantas vezes sanguinário, regresso da “imaginação ao poder”.

A resposta de Luc Ferry é a oposta: devemos festejar o recuo das grandes causas; e devemos, sobretudo, celebrar as pequenas. Devemos celebrar os nossos familiares, os nossos amigos. A nossa tribo. O nosso “pequeno pelotão”, como dizia Burke no século 18. São eles as causas por que vale a pena lutar. São eles que constituem o princípio e o fim das nossas “transcendências”.

Nas palavras do filósofo francês, houve uma “divinização do humano” ou, se preferirem, uma “transcendência na imanência” que leva o Homem ocidental a apenas “sair de si mesmo” para participar no destino daqueles que lhe estão mais próximos. As nossas utopias são pessoais, não coletivas; e esse recuo é prova da nossa maturidade política e de uma certa decência moral.

Ao longo da história, as famílias sempre estiveram ao serviço da política e foram, por vezes, estilhaçadas por ela? É hora de virar o disco: uma sociedade política civilizada deve servir as famílias; deve permitir que estas possam cultivar as suas virtudes sem a intervenção e os constantes abusos do Estado.

E o Brasil será essa sociedade política civilizada no dia em que o ruído do mundo der lugar ao silêncio dos lares. No dia em que for possível, como escreve Reinaldo Azevedo, ter uma alma, cultivar intimidades, guardar as pequenas coisas ridículas, sem que a República conspire com suas sujidades e violências. Será esse o dia em que o famoso dilema de Camus deixará de fazer sentido: a justiça ou a minha mãe?
Obviamente, a mãe.

Porque, como diria um velho apicultor sueco, nós nunca nos rendemos perante o que nos é sagrado. Recomeçamos.

Claro que, após ler este texto, fiquei curioso em relação ao livro de Lars Gustafsson, do qual jamais havia ouvido falar. Agora, vou procurar por A Morte do Apicultor.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: