A ciência custa caro?

Sim, eu confesso ter pouca paciência para o batido argumento de que a ciência, digamos, pura é de pouco valor. Dito de outra forma, que seria melhor aplicarmos o dinheiro na cura do câncer e no desenvolvimento de novas vacinas a perder tempo com exploração espacial e o estudo do ciclo reprodutivo dos peixes-boi do Oceano Atlântico. Antes de mais nada, alguém faz ideia de quão irrisório é o investimento em pesquisa se comparado ao demais itens do orçamento da maioria dos estados? Peguemos o exemplo mais vistoso – os EUA. Afinal de contas, é a única nação que mantem uma agência de exploração espacial e sustenta duas guerras simultaneamente.

Segundo Phil Plait, do blog Bad Astronomy, os EUA gastam 12 milhões de dólares por hora no Iraque. Isso mesmo. Fazendo as contas, 12 milhões vezes 24 horas vezes 365 dias dá… 105 bilhões de dólares por ano. E não estamos falando em Afeganistão. Recentemente, o Obama anunciou o cancelamento do projeto Constellation da Nasa (aquele que substituiria os ônibus espacias e criaria condições para a volta a Lua) e, todo pimpão, garantiu um acréscimo de 6 bilhões de dólares a Nasa nos próximos 5 anos. Sinceramente, perto dos gastos bélicos, isso é troco. Ainda assim é bastante grana. Mas vale dizer que estamos falando do projeto científico mais caro e arriscado da história da humanidade. Um projeto inútil, alguns diriam, antes de ligar seus GPSs e digitar a rota desejada, ou saber das últimas notícias via satéilte sobre a degradação do meio ambiente flagradas por… satélites!

Excetuando-se projetos monumentais (como o genoma, o LHC ou a Estação Espacial Internacional, que já torrou um ano de Iraque desde o começo de sua operação há 12 anos), a verdade é que poucas coisas são mais baratas do que permitir que cientistas criem alucinadas teorias sobre o funcionamento do universo na Caltech ou estudem o comportamento migratório dos gnus. Certamente, é muito menos dinheiro do que a televisão movimenta com seus reality shows, a imprensa com fofocas inúteis sobre celebridades inúteis e talvez menos ainda do que James Cameron gastou para filmar Titanic e Avatar. E nem falamos do orçamento militar para não humilhar os pobres, miseráveis, cientistas.

Ciência é aposta de médio, longo ou longuíssimo prazo. Ponto final. A pesquisa que hoje parece estranha pode vir a apontar caminhos completamente novos de resolver problemas antigos. Mas pode levar um ano ou um milênio para que todo o conhecimento acumulado seja aplicado – se o for. Minha recomendação é: deixe os cientistas em paz. Eles nem fazem cócegas nos orçamentos dos estados. E acredite: seria muito melhor se fizessem.

4 Respostas to “A ciência custa caro?”

  1. A ciência custa caro? « Universo Tangente – ciencia Says:

    […] https://universotangente.wordpress.com/2010/02/10/a-ciencia-custa-caro/Sim, eu confesso ter pouca paciência para o batido argumento de que a ciência, digamos, pura é de […]

  2. De novo: ciência custa caro (mesmo)? « Universo Tangente Says:

    […] Posts relacionados: A ciência custa caro? […]

  3. PAULO HENRIQUE DE LIMA Says:

    O

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: