Archive for maio \21\UTC 2010

Como Falar Com Garotas Em Festas, de Neil Gaiman

sexta-feira, 21 maio, 2010

Eu havia perdido este link e acabei me esquecendo de postá-lo em 2009. Enfim, nada que uma busca rápida no Google não encontre novamente: o Alexandre Esposito, do Vida Ordinária, traduziu, com a devida autorização do autor, o conto Como Falar Com Garotas Em Festas, de Neil Gaiman. Para quem não conhece Gaiman, pode ser intimidadora uma história que começa com dois adolescentes tentando se dar bem com as garotas e termina como uma ficção científica interessante e estranhíssima. Mesmo a quem tem alergia ao gênero, a leitura é recomendada – em especial pela naturalidade dos diálogos e pelas descrições quase incompreensíveis de coisas, bom, de outro mundo.

Como Falar Com Garotas em Festas (How to talk to girls at parties), de Neil Gaiman, traduzido por Alexandre Esposito.

Nota final: aos malucos que traçaram um paralelo entre o conto e o malfadado caso Ronaldinho, por favor, parem de fumar seja lá o que vocês andam fumando.

Anúncios

Só eu acho isso bizarro?

domingo, 16 maio, 2010

Já houve quem comparasse o flanar ao ato de zapear pelos canais da TV a cabo. Não poderia estar mais enganado: Flanar é algo como sair andando por aí, com inteligência, observando as pessoas e as ruas, mas com um certo prazer intelectual. Decididamente, algo que acontece raríssimas vezes se nos encontramos a toa em frente às nossas TVs. De qualquer forma, eu passeava pelos canais sem me interessar especialmente por coisa alguma: filmes reprisados, documentários já assistidos, culinária, futebol. Finalmente, minha atenção foi despertada por algo que, na imaginação de produtores, deveria ser bonitinho, engraçadinho e fofinho (ou cute, diria um americano; kawaii, um japonês). Mas o resultado está mais próximo do grotesco: um concurso de misses disputado por crianças.

É uma coisa no mínimo constrangedora ver meninas de seis anos ou menos disputando olhares, fazendo caras e bocas e exercendo além do limite do suportável a tendência natural da maioria das crianças em competir, umas com as outras indefinidamente. Um espetáculo pobre, mal ajambrado, errado da concepção a sua execução, de inacreditável mau gosto, que, como se não bastasse sua natureza ridícula, deve servir de (perdoem-me pela grosseria) playground visual para pedófilos. Não pretendo ter filhos, mas se os tivesse, e fossem meninas, bom, já sabem: um concurso de misses seria o último lugar que eu as autorizaria a ir.

Para voltar, uma citação rápida

terça-feira, 4 maio, 2010

Os rumores sobre a morte deste blog foram exagerados. Estou voltando, mas por enquanto deixo apenas uma citação de O Hobbit, de J.R.R. Tolkien:

É estranho, mas as coisas boas e os dias agradáveis são narrados depressa, e não há muito que ouvir sobre eles, enquanto as coisas desconfortáveis, palpitantes e até mesmo horríveis podem dar uma boa história e levar um bom tempo para contar.