Resistir não é inútil

Quando era menino e ainda assistia a Sessão da Tarde, era relativamente comum alguma comédia mostrando um soldado japonês que, décadas após o fim da Segunda Guerra Mundial, continuava guardando uma ilhota em algum ponto igualmente remoto do pacífico. Não era comédia: estas histórias inspiravam-se em casos reais e ao menos um deles tem ligação com o Brasil. Hiroo Onoda permaneceu na ilha Lubang, nas Filipinas, até 1974, quando seu antigo comandante e amigo finalmente o liberou de sua missão. Onoda mudou-se para o Brasil, onde tornou-se fazendeiro e vive até hoje.

A comparação que farei é tosca e injusta, mas às vezes me sinto como o tenente Onoda, entrincheirado num beco solitário – ao menos no ramo da música e gosto pessoal. Lembro-me do início dos anos 90, em plena malfadada era Collor, quando a música breganeja explodiu de vez no país. Eu não consigo devincular uma coisa da outra e nunca consegui gostar de nenhum, nem unzinho, daqueles artistas. Mais tarde vieram a axé music e o funk carioca para tomar o posto de sensação temporária. Infelizmente, e ao contrário do rock brasileiro, que parece cada vez mais fadado a diminuir sua influência, estes gêneros não desapareceram; na verdade, tornaram-se onipresentes, parte da paisagem musical tupiniquim permanente.

As duplas breganejas vicejam e todo ano surge algum novo nome. Bom para quem gosta, claro, e para os artistas também. Já disse que os respeito, mas não gosto de suas músicas. Conheço alguns amigos que capitularam e hoje cantam estas canções alegremente, mas não faço parte desta turma. Contento-me em me esforçar um pouco para não parecer chato. É claro que nem sempre consigo.

De qualquer forma, ainda há esperanças: meu antigo vizinho de apartamento colocava Queen para o filho de três anos ouvir. O menino adorava.

2 Respostas to “Resistir não é inútil”

  1. Alexander Says:

    Realmente Marcelo, (argh) resistir não é inútil!!!!
    Continuemos nossa resistência, combatente! (ffffiiiiuuu)
    (bbuuuummmm) Nos aferremos ao terreno (argh) e defendamos a posição!
    “Fire in the hole!!!”

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: