Archive for dezembro \15\UTC 2010

A Arte de Alex Toth

quarta-feira, 15 dezembro, 2010

Para quem não liga o nome a sua obra: se você tem mais de 25-30 anos, muito provavelmente a viu diariamente na TV. Toth foi o artista responsável pelo visual de boa parte dos personagens da Hanna-Barbera, incluindo clássicos como Superamigos, Zandor e os Herculóides, Homem Pássaro, Johnny Quest, Mightor e Space Ghost. Além de trabalhar com animação, desenhou vários quadrinhos para a DC, além do espanhol mafioso Torpedo 1936 e o Zorro para a Disney.

Segundo notícia publicada no Melhores do Mundo, a biografia de Toth foi lançada no mercado norte-americano em três volumes, incluindo toneladas de ilustrações, model sheets e algumas histórias inéditas até hoje. É material de nicho, claro, mas como diz o link, não custa nada sonhar em vê-lo um dia publicado aqui no Brasil. Afinal, se já aoprtaram por aqui materiais “difíceis” como o Peanuts Completo e o Sandman – Edição Definitiva, quem sabe?

Wikileaks e conspirações

terça-feira, 14 dezembro, 2010

Se é verdade que o Wikileaks divulgou apenas 0,6% dos documentos confidenciais que afirma possuir, então os teóricos da conspiração ainda podem ter uma leve esperança. Talvez, entre os terabytes de documentos digitais que a organização obteve, estejam as provas definitivas de que o homem jamais foi a Lua, o governo norte-americano mantem extraterrestres vivos na Base 51 ou que o mesmo governo já sabia do ataque a Pearl Harbour antes dele acontecer.

Ou, talvez, o que é ainda mais provável, a realidade seja mais simples e intrincada do que estas fantasias e o Wikileaks acabará por demonstrar que nenhuma delas passa disso: um conjunto curioso e um tanto divertido de ideias deslocadas. O que tem sido revelado é tão interessante e eventualmente bizarro que ofuscaria uma revelação bombástica como as citadas no parágrafo anterior? Não sei, mas seria no mínimo curioso morder a língua e ver alguma conspiração revelada – mesmo que não seja nenhuma das mais famosas e badaladas. Que os Smurfs são uma forma de propaganda do comunismo já seria de bom tamanho.

Overdose de informação

domingo, 5 dezembro, 2010

Uma das afirmações mais repetidas nos telejornais e revistas é de que vivemos uma era de overdose de informação. Produzimos em poucos meses mais informação do que toda a humanidade produziu até o século XIX. Não há como negar isso, mas talvez o problema seja um pouco mais sutil.

Este ótimo gráfico resume bem o que caracteriza e diferencia dado, informação, conhecimento e sabedoria. Em resumo, dados são os números, tabelas, bancos de dados, palavras, etc. Informação é dado contextualizado, trabalhado, ao qual está associado um significado. Não é só isso, claro, e esta é uma redução meio grosseira, mas é por aí. O problema é que temos muita dificuldade em estabelecer o significado de tantos dados que nos são apresentados o tempo todo. Dito de outra forma, não sabemos distinguir o que é importante do que é irrelevante. A informação perde boa parte de seu sentido e nos parece um simples dado. E o excesso de dados aparentes é que o que nos estressa. O resultado desta avalanche é uma salada meio amalucada em que tudo se mistura e acaba se nivelando por baixo, tudo é importante e descartável ao mesmo tempo.

Mas não se engane: adoro a nossa era. Prefiro a abundância de opções à sua escassez. Talvez não haja solução para a suposta overdose, mas fico com a conslusão de um amigo: tenho pouco tempo. E aproximando-se da era pessoal dos “enta” rapidamente, meu tempo torna-se ainda mais precioso. Logo, só presto atenção ao que me interessa de verdade. Para mim, isso é informação. O resto? São apenas dados flutuando na realidade virtual do nosso tempo.